A CIa Descalvadense.

Por muitos anos houve a duvida se os pequenos ramais da bitola de 60 cm da Cia Paulista foram ou não operados por particulares, antes de serem comprados e encampados. Eu sempre tive claro na cabeça que sim, os donos particulares operaram a pequena ferrovia, e depois venderam. Muita contestação houve disso, mas um documento enviado via internet me deixou bem claro que minha desconfiânça estava certa. Oficialmente, a CP comprou o ramal em 20 de março de 1891, e somente inaugurou os pátios, trens e estações neste mês, porém, o documento que seguirá na integra é de março de 1889, e diz o contrário. Afirma claramente que o ramal estava ativo nesta data (no mínimo 2 anos antes da compra), dando informações financeiras do trem inclusive, como o movimento de cargas e passageiros.

O relatório de 19 de agosto de 1880 dizia “… a assembléia julgava inconveniente a construção de um ramal de bitola latga entre Porto Ferreira e Descalvado, sugerimos uma nova ideia de se criar um tramway de bitola reduzida que saia de algum ponto da linha Paulista à vila de Descalvado…“. Tal proposta foi revogada, e em 1882 o trecho em bitola larga foi construído, porém, a ideia de criar-se ferrovias convergindo para a CP estava ativa.

Em 14 de abril de 1888 é assinado a autorização para formação e construção de um ramal em bitola reduzida. Este acordo foi demonstrado no relatório número 38, de 30 de setembro de 1888, onde foi dto “…a estrada Descalvadense esta quase pronta e breve começará a funcionar…“. Estas afirmações levam a crer que com a ajuda da CP para o transporte dos materiais e a provável ajuda de algum engenheiro, em pouco mais de 5 meses a ferrovia foi construída e começou a operar. Diferentemente do ramal de Santa Rita, que neste mesmo relatório é citado que sua Câmara Municipal pede a CP o prolongamento da estrada, ou seja, em quanto a Cia Descalvadense estava prestes a operar, o Ramal de Santa Rita ainda estava em projeto. Evidente que formou-se uma ferrovia também para tal, convergindo até o Porto Ferreira, mas esta sim ficou pronta meses antes de sua venda, e, até o momento, não ha indicios que tenha sido operada pelos particulares, somente pela CP apos a compra em 16 de junho de 1891, três meses após a compra da descalvadense.
O fato curioso de tudo isso, é que a Cia Descalvadense  foi a primeira ferrovia de bitola 60 cm na Província de São Paulo, e por que não dizer que foi uma das primeiras (senão a primeira) do país todo. De fato, não me lembro de momento de nenhuma ferrovia em bitola de 60 cm anterior a isso, e das locomotivas que conheço, as 0-4-0 originais do ramal são as mais antigas.
De qualquer forma, ainda tenho que compilar muitos outros dados para formar o quebra-cabeça da origem deste tão misterioso ramal. Acredito que ja tenho bastante informação real sobre, e em breve uma segunda edição melhorada do meu livro poderá sair. Abaixo, a reportagem da “Revista de Estradas de Ferro” de março de 1889.

 
 

Post a comment

You may use the following HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>