Os trens da EFPP.

Esta é a ultima reportagem da série. Claro que muito pode ser falado ainda, aqui nestes artigos, apenas uma parte da história desta tão importante e rica ferrovia de bitolinha.
Falaremos agora dos trens que corriam na ferrovia. O calcario era a principal carga transportada. Outros produtos também corriam pela ferrovia, argila era a mais famosa delas. Esta era retirada no Km 6, no famoso “desvio da argila”.
Os trens de carga passavam por uma operação interessante. Saiam de Cajamar e, chegando no corredor, eram desmembrados para seguir viagem na forte rampa do “corte grande”, ou outra locomotiva era acrescida para auxiliar na subida. Ao chegarem na Fabrica, descarregavam e retornavam a cajamar. Basicamente isso.
Quanto ao trens de passageiros, segue agora uma transcrição do meu livro “O Trenzinho da Aurora”
“Os trens de passageiros tiveram sua vida de 1914 a 1974, eram conhecidos como os “mistos”, quase sempre eram simplesmente um carro de passageiros no fim da composição. Não havia a distinção de classes nos trens e apenas existia uma única classe. Os pequenos carros de passageiros possuíam bancos laterais. Não são incomuns as histórias dos antigos passageiros que diziam que os trens não paravam, tinham que correr e embarcar em movimento mesmo. Os maquinistas alegavam quem não podiam diminuir a marcha das locomotivas para não perderem o embalo nas subidas. Além da comunicação de Perus com Cajamar, o trem era muito utilizado por pescadores.” (do livro “o trenzinho da aurora” – 2008 Leandro Guidini)
Esta era a Estrada de Ferro Perus Pirapora, com todo seu charme e romantismo, com seus pequenos trens que encantaram e encantam pessoas de todo o mundo.

Leandro Guidini é um jovem apaixonado pelas ferrovias do Estado de São Paulo. Desenhista industrial por formação, atua na área da Arqueologia Industrial, pesquisando temas vinculados à ferrovia e fazendas de café, importante binômio do desenvolvimento paulista, sendo autor de livros e artigos. Em suas horas vagas, conduz algumas das velhas Maria-fumaças preservadas na cidade de São Paulo e pratica ferreomodelismo.

1 comment
  1. […] comentarei sobre uma história mais esquecida de EFPP e suas origens, seus trens de passageiros e de carga, e sua preservação. (Texto retirado do livro do autor “O Trenzinho da Aurora” […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *